Administre sua casa como uma empresa

Por incrível que pareça administrar uma casa muitas vezes é uma tarefa mais difícil do que se imagina. Administra-la com eficiência, pior ainda. E o resultado dessa desorganização são contas sempre no vermelho, meses pendurados no cheque especial, dívidas acumuladas no cartão de crédito e muito mais…

Mas afinal qual a melhor forma de organizar o orçamento doméstico? A revista VOCÊ S/A escreveu um excelente artigo que ensina a organizar seu orçamento doméstico com a mesma metodologia aplicada as empresas. Confira abaixo alguns trechos:

Planeje sua vida financeira

Assim como as empresas elaboram um planos de negócios, você também pode ter um plano para sua vida financeira, que inclui metas, projetos e crescimento para curto, médio e logo prazo. Para chegar a um objetivo, trace um plano com ponto de chegata (objetivo final), a rota (como chegar) e o meio (o mecanismo de realização do objetivo)

1 – Considere todas as possibilidades de:

  • Aumento de salário
  • Novos horizontes (treinamentos, MBA, nova profissão ou aperfeiçoamento da atual, outro emprego, novo negócio)
  • Produção (despesas dimensionadas) para melhoria.
  • Ação na gestão de caixa (atuar na gestão dos investimentos de forma programada)

2 – Para a construção do plano considere as analogias:

  • Um solteiro é uma forma individual; o administrador pode projetar o crescimento fazendo planos, investindo tempo e recursos na formação e na carreira.
  • Quem se casa é como uma empresa que vai se fundir (ou terá um sócio ativo, não investidor) e vira uma limitada (Ltda.)
  • Na Inglaterra, a sigla Dink’s  (Double icome, no Kids) quer dizer que os dois trabalham e têm receitas, mas os custos então controlados por não terem filhos.
  • Na prospecção de crescimento da empresa (da família), os filhos são um investimento de longo prazo, que vai até a maturidade deles (ou das filiais). A empresa está se expandido!

Ativos

Aqui você coloca tudo o que gera receitas ou foi incorporado ao seu patrimônio. “ A dica é lisar os ativos por grau de liquidez, ou seja, a facilidade de recebê-los, do garantido aos mais complicados”, diz Ricardo Torres, professor de finanças da Brasilian Business School.

Contas a receber

É a composição de todos os rendimentos obtidos por meio do trabalho – nas empresas são as vendas dos produtos: para você é salário mensal, 13º Salário, adicional de férias.

Investimentos Financeiros

Entram as aplicações com liquidez diária (CDBs pós-fixados, fundos DI, renda fixa, ações e dividendos) que você pode sacar a qualquer momento. Adicione as aplicações com resgate em até um ano.

Recebimentos Extraordinários

“Some as receitas que você vai receber, mas não tem certeza do dia nem qual será exatamente o valor”, diz Nelson Beltrame, da Data Custos. Um empréstimo que você fez para seu cunhado, uma herança, um seguro de alguma coisa, a restituição do IR e os bônus salariais. “Não faça dividas esperando cobri-las com essas receitas sem antes recebê-las. Adverte Nelso, da Data Custos.

Ativos a Longo Prazo

Aplicações com resgate superior a um ano, como títulos do governo, CDBs pré-fixados e previdência privada. “Não compensa faze o resgate antecipado. É só para seu controle e saber que eles estão colaborando para o acumulo de patrimônio”, diz Ricardo, da Brazilian Business School.

Ativo Permanente

Bens adquiridos, como imóveis, carros, obras de arte, eletrodomésticos ou ativos de valor significativo e passiveis de mensurar. Aqui só entram bens quitados ou os valores das parcelas já pagas. Ao fazer isso, você pode descobrir que, em alguns casos, é interessante se desfazer de algum bem, principalmente do carro, que nunca gera receitas, a na ser que ele seja o seu meio essencial de trabalho.

Passivos

Reúna aqui todas as despesas e obrigações que exijam colocar a mão no bolso. “As despesas operacionais e extraordinárias precisam de maior vigilância. Já que a tendência é que elas subam conforme dor aumentando seu padrão de vida”, diz Nelson Beltrame, da Data Custos.

Despesa Operacional

São os gastos fixos necessários para você se manter, como alimentação, telefone e energia. “Se os custos fixos estão altos, troque o salão de beleza, procure um posto mais barato, pesquise supermercados concorrentes”, diz José Alberto Bonassoli, da consultoria El-Shaddai.

Exigível no Curto Prazo

É o dinheiro que você tem de deixar separado para pagar prestações que vencem em até um ano. A empresa reserva dinheiro no caixa para o pagamento do 13º salário. Você também pode fazer isso considerando a parcela anual da casa própria, o imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), a renovação de seguros , as matriculas de cursos. “São coisas previsíveis. Guarde antes para pagar tudo a vista”, diz Ricardo Torres, da Braszilian Buziness School.

Reserva de Capital

Eventualidades sempre acontecem, mas não se pode prever quando – um carro enguiçado que foi para a oficina ou a perda do emprego “Recomenda-se sempre ter guardado o equivalente a quatro salários para emergências”, diz o contador José Alberto Bonassoli

Despesas Extraordinárias

Tudo o que dá para apertar o cinto se eventualmente precisar. Roupas, TV por assinatura, livros, passeios e viagens a lazer (lembre-se que uma ida ao shopping no fim de semana inclui o estacionamento). Podemos somar aqui coisas mínimas que podem ser cortadas e muitas vezes esquecemos de contabilizar: o cafezinho, por exemplo.

Passivo de longo prazo

Incluem hipotecas, empréstimos bancários, financiamentos e outros valores a pagar com data de vencimento superior a um ano. “Serve para você comparar e se perguntar: “O que está sobrando daria para adiantar alguns pagamentos? “É preciso ter certa folga financeira para viver tranqüilo”, diz José Alberto Bonassoli.

Demonstrativo de resultados

Fazendo algumas comparações entre ativo e passivo, você descobre se está no azul (lucro) ou no vermelho (prejuízo). De preferência, retire da comparação ativos de longo prazo e permanente e o passivo de longo prazo, para expressar de forma mais fiel quanto representa sua disponibilidade de capital  para arcar com dividas assumida em até um ano. O ativo permanente serve para expressar a relação entre seus bens (veículos e imóveis) perante o patrimônio total. A comparação entre os indicadores e entre datas diferentes, como, por exemplo, o inicio e o termino de um trimestre, apresenta a sua variação patrimonial.

Fonte: Você S/A

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *