Quem você é:poupador,investidor ou apostador?

A relação que você tem com o seu dinheiro pode classificá-lo no grupo de poupadores, investidores ou apostadores. Você sabe diferenciar esses três tipos de pessoas?

Pela própria origem do nome, que remete à caderneta de poupança, já dá para decifrar que os poupadores são mais conservadores. “Eles juntam um mesmo valor de dinheiro mês a mês para, após um tempo, realizar uma aquisição, seja a compra de um carro ou da casa própria, por exemplo”, explicou o professor PhD da Fiap (Faculdade de Informática e Administração Paulista), Marcos Crivelaro.

Os poupadores retêm uma parte do orçamento com a finalidade de consumir ou até mesmo de ter uma reserva de emergência, mas sempre deixando a questão da rentabilidade em segundo plano. Em alguns casos, eles apenas deixam o dinheiro guardado na conta-corrente ou em casa, sem ao menos atentar à inflação, que diminui o poder de compra do valor guardado, com o passar do tempo.

Os investidores
Já os investidores têm o hábito de guardar dinheiro, sempre de olho na rentabilidade, pensando no futuro e na acumulação de riqueza. “Ele navega por várias modalidades de investimento em uma escala evolutiva: caderneta de poupança, fundos de investimento até chegar à renda variável”, explicou Crivelaro.

Seu objetivo até pode ser uma aquisição, mas ele não deixa de guardar dinheiro depois que atinge sua meta. Continua, devido ao pensamento de longo prazo e de acumulação de um patrimônio.

De acordo com Crivelaro, grande parte dos brasileiros ainda se encontra no grupo dos poupadores, enquanto o ideal seria que eles estivessem no dos investidores, o que não acontece devido à situação financeira difícil pela qual passa a população. “Cerca de 85% são poupadores, 15% são investidores e outros 5%, apostadores”.

Os apostadores
Neste grupo, a palavra de ordem é se arriscar, em busca de um retorno grande. Porém, existem os maus apostadores, que são aqueles que não medem esforços e correm cegamente em busca de uma grande oportunidade de ganhar dinheiro. Existem outros que são um pouco mais conscientes e que separam, para essa “aventura”, apenas parte de seu patrimônio.

“Conheço muitos jovens apostadores, que pensam que, se não for para investir em algo que garanta um ótimo retorno, é melhor gastar o dinheiro”, exemplificou Crivelaro, que ainda disse que esse grupo costuma ser mais apostador porque tem a visão de que existe mais tempo para recuperar aquilo que pode ser perdido na aposta.

De acordo com Crivelaro, os apostadores querem ganhar muito dinheiro e de forma rápida. A questão temporal, neste caso, é importante. Por isso, categorias de longo prazo não despertam interesse neles, bem como aquelas que exigem muito esforço. O importante é ganhar dinheiro fácil.

Características
Confira as características de cada perfil:

Características
Perfil Poupador Investidor Apostador
Objetivo Realizar um sonho de consumo
Fazer reserva de emergência
Garantir renda futura
Acumular patrimônio
Ganhar dinheiro fácil
Ganhar dinheiro rápido
Rentabilidade Fica em segundo plano Quer a maior rentabilidade na média Quer a melhor rentabilidade do mercado
Prazo Até atingir o objetivo de consumo Investe constantemente O mais curto possível
Risco Baixo Médio a alto Altíssimo
Quem agrupa? Classes baixa e média Classes média alta e alta Classes altas


Fonte:http://web.infomoney.com.br/templates/news/view.asp?codigo=1838009&path=/suasfinancas/

Segurança no mercado de ações.

A BOVESPA exerce, em defesa do interesse dos investidores, um rigoroso acompanhamento de todas as transações, o que assegura elevados padrões éticos no cumprimento dos negócios realizados.

Garantias

Com a finalidade de oferecer o máximo de segurança nas operações realizadas em seu sistema de negociação, a BOVESPA as acompanha minuciosamente. Além disso, exige limites e garantias para a execução dessas operações.

A CBLC administra o risco que essas operações podem associar aos mercados, estabelecendo limites operacionais para os Agentes de Compensação; estes, por sua vez, às Corretoras; e as mesmas a seus clientes.

Os limites operacionais são estabelecidos de acordo com as respectivas capacidades de liquidação das operações. Esses limites podem ser aumentados diariamente por meio do depósito adicional de garantias.

A CBLC exige ainda depósito de margens ou cobertura para posições de risco nos mercados a termo e de opções, além do serviço de empréstimo de títulos – BTC.

Mais informações no site www.cblc.com.br

Custódia

Para a guarda de títulos e exercício de direitos, o investidor pode dispor de serviço especializado, prestado por instituições credenciadas pela CVM para esse fim.

A CBLC-Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia, empresa ligada e que presta esse tipo de serviço à BOVESPA, oferece custódia com padrão de qualidade internacional, tendo conquistado a certificação ISO 9002. A CBLC tem o serviço de custódia fungível com movimentação “on-line” e “real time” dos ativos da conta de custódia. Além disso, adota a codificação de títulos ISIN, mundialmente utilizada.

Cuidados na escolha do Intermediário

A escolha do intermediário que irá administrar os recursos do investidor exige muita atenção.

É importante que o investidor certifique-se de que esse intermediário atende a alguns requisitos básicos:

  • tradição e solidez da instituição como administradora de recursos;
  • idoneidade pessoal do administrador;
  • experiência no gerenciamento de recursos, relacionado à capacidade de indicar as melhores alternativas e os momentos mais adequados para a realização dos negócios;
  • situação legal regular com autorização de funcionamento dada pelo Banco Central e pela Comissão de Valores Mobiliários, além de ser membro ativo da BOVESPA;
  • alto padrão de qualidade na prestação de serviço. Competência e ética para atender às necessidades do investidor.

As Corretoras da BOVESPA possuem todas essas características e ainda contam com a experiência da maior Bolsa de Valores da América Latina.

CBLC-Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia

Fonte:BM&FBOVESPA

Os riscos do mercado de ações.

Ações são ativos de renda variável, ou seja, não oferecem ao investidor uma rentabilidade garantida, previamente conhecida. Por não oferecer uma garantia de retorno, este é um investimento considerado de risco.

A rentabilidade dos investidores é composta de dividendos ou participação nos resultados e benefícios concedidos pela empresa emissora, além do eventual ganho de capital advindo da venda da ação no mercado secundário (Bolsa de Valores). O retorno do investimento dependerá de uma série de fatores, tais como desempenho da empresa, comportamento da economia brasileira e internacional etc.

Por esse motivo, é aconselhável que o investidor não dependa do recurso aplicado em ações para gastos imediatos e que tenha um horizonte de investimento de médio e longo prazos, quando eventuais desvalorizações das ações poderão ser revertidas.

Fonte:BM&FBOVESPA

1 2 3 4 5 11