Exportações – Lula diz que houve cautela sobre arroz

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que o go­verno tomou uma decisão cau­telosa ao cogitar a suspensão das exportações de arroz. Na avaliação dele, antes de expor­tar o produto, é preciso saber se o volume de arroz que será pro­duzido com a nova safra será capaz de atender a demanda interna. “Nós tomamos uma de­cisão de sermos cautelosos na exportação de arroz, porque o Brasil tem pouco mais de um milhão de toneladas em reser­va, mas não podemos exportar antes de ver a nova safra. Não queremos correr o risco de faltar alimentos no Brasil’; disse o presidente, em entrevista cole­tiva, após participar da inaugu­ração da nova unidade petroquí­mica da Braskem, em Paulínia, interior paulista. “Nós vamos continuar exportando, mas há um problema de crescimento do consumo“, acrescentou.

AGRONEGÓCIO: Ministério anuncia data para o leilão do café

O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Silas Brasileiro, anunciou o lançamento do Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro) para o café Arábica. O primeiro leilão, para 4 milhões de sacas, será realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) no próximo dia 27. O orçamento disponível para lançar o Pepro neste ano, até o limite de 5 milhões de sacas, é de R$ 200 milhões, cuja fonte é o Tesouro Nacional.
Contando com a presença do presidente da Conab, Jacinto Ferreira, e do diretor do Departamento do Café, Lucas Tadeu Ferreira, o secretário-executivo explicou que após o primeiro leilão será divulgado o aviso do segundo leilão, a ser realizado no dia 11/7 para 1 milhão de sacas. Caso as 5 milhões de sacas previstas não sejam alcançadas, será promovido um terceiro leilão do saldo. Os pregões serão realizados com o valor máximo do prêmio de R$ 40,00, podendo decrescer se a procura for maior que o volume ofertado.
O Pepro destina-se a cafeicultores e suas cooperativas e o leilão será realizado por intermédio das corretoras credenciadas pela Conab. O prazo de vencimento para a comercialização da safra com direito ao prêmio é até 30 de junho do próximo ano. Para ter direito ao recebimento do prêmio, os produtores têm que comercializar cafés tipo 6/7 pelo valor mínimo de R$ 260,00 que, somado ao prêmio, deverá atingir o valor de referência fixado em R$ 300,00.
Silas Brasileiro disse que o objetivo do programa é dinamizar o mercado e escoar a safra em bases que permitam a sobrevivência dos cafeicultores. ‘É um modelo moderno, inteligente, pois não retém a oferta, não obriga o Governo a adquirir o café, funciona como mecanismo compensatório ao problema cambial e fortalece a competitividade do café brasileiro no exterior’.
Segundo Brasileiro, ‘o mecanismo apresenta outra vantagem, como a sinalização para os agentes do agronegócio ‘café’ um nível mínimo de preço que o mercado deve buscar para escoar a produção, ou seja, não estimula preços artificiais que induzam aumento de produção, nem preços aviltantes que provoquem a extinção de nosso parque cafeeiro’.
O secretário-executivo acrescentou ainda que para proporcionar sustentação aos objetivos do Pepro, o Ministério da Agricultura conta com a aplicação de R$ 2 bilhões para financiamentos de pré-comercialização da safra que está sendo iniciada, cujas fontes são R$ 1,3 bilhão do Funcafé e R$ 700 milhões de outras linhas de crédito rural como a Linha Especial de Crédito (LEC) e outras das exigibilidades bancárias.
Para a safra do ano seguinte (2008/09), que poderá ser maior que atual, devido ao fator da bienalidade de produção, o Governo já prepara uma proposta orçamentária que permita a adoção do mesmo instrumento para um volume de 10 milhões de sacas. A previsão orçamentária para sustentação dos preços do produto no ano que vem é de R$ 2,5 bilhões.
Silas Brasileiro lembrou que o Conselho Deliberativo de Política do Café (CDPC) aprovou no ano passado o Plano de Safra de 24 meses. A idéia deste modelo é de neutralizar o efeito da bienialidade da produção brasileira, equilibrando as ofertas da safra maior com a menor.
Para realização deste novo sistema, nos anos-safra de produção menor (como o que se inicia agora), os financiamentos vencem dentro de 12 meses, enquanto nos anos de maior produção contarão com mais financiamentos, com prazos de até 24 meses, com percentual de até 30% vencendo nos primeiros 12 meses e o saldo até o final do ano safra seguinte. (Redação – InvestNews)

Combate à aftosa será prioridade

    Durante solenidade em Uberaba, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o Governador de Minas Gerais, Aécio Neves, fizeram o lançamento oficial da campanha de vaninação contra a febre afitosa, vacinando simbolicamente um animal na pista do Parque Fernando Costa. O governador destacou a determinação do governo federal no combate a febre aftosa no país. Segundo ele, os produtores mineiros apóiam a decisão do presidente Lula de tomar prioridade nas políticas agropecuárias do País o combate à doença. O Ministro Reinhold Stephanes garantiu que não faltará verba para campanha.

1 2