Bovespa sofre a maior queda em 10 anos

A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) estendeu seu pregão por meia hora e sofreu a maior queda desde 10 de setembro de 1998 amargando perdas de 11,39%, . O câmbio disparou, e após uma pesada ação do Banco Central, fechou a R$ 2,16.

Os investidores tiveram um alívio apenas momentâneo com as medidas trilionárias para resgatar o sistema financeiro. Hoje, o foco se concentrou sobre a “economia real”: a perspectiva de que as economias centrais entrem em recessão, com repercussões sobre o restante do planeta.

A Bovespa acionou novamente o “circuit breaker”, às 14h24, interrompendo o pregão por meia hora. O intervalo não foi suficiente para os investidores se acalmarem: o índice Ibovespa continua a sinalizar quedas cada vez maiores e no pior momento do dia, apontou uma retração de 14,72%.

Na Bovespa, as ações líderes, Vale e Petrobras, tiveram baixas na casa dos dois dígitos, de 15,16% e 12,08%, respectivamente.

O valor de um plano de negócios

Muitas pessoas acham que só precisam de um “Plano de Negócios” (P. N.) quando necessitam buscar dinheiro em bancos ou em fundos de investimento. Um “P. N.” é muito mais que um meio para conseguir dinheiro; é um guia para lhe ajudar a definir e atingir os seus objetivos.

Da mesma forma que não se deve começar uma viagem sem ter um mapa em mãos, começar um novo negócio com um “P. N.” para guiá-lo é essencial. Naturalmente que um “P. N.” não lhe assegurará o sucesso, mas este poderá ajudá-lo a evitar motivos comuns de fracasso em negócios, tais como falta de capital de giro ou identificar um mercado adequado.

Enquanto o empreendedor realiza as pesquisas e prepara o seu “P. N.” descobrirá onde estão os pontos fracos de sua idéia e como poderá corrigi-los. Durante tal processo também descobrirá diferentes áreas potenciais para o seu negócio, que não tinham sido levadas em conta em um primeiro momento, e como lucrar com isto. Somente montando um completo “P. N.” é possível perceber se a idéia é realmente válida e que merece o seu tempo e investimento.

Mas, afinal, o que é o Plano de Negócios e, mais importante do que isto, como montar um? De forma simples, um “P. N.” engloba os seus objetivos de negócios, as estratégias que serão utilizadas para atingi-los, potenciais problemas que poderão vir a ocorrer e as respectivas maneiras de resolvê-los, a estrutura organizacional (incluindo os cargos e responsabilidades) e, finalmente, a quantidade de capital necessária para financiar o seu negócio desde o início até o ponto de equilíbrio.

Podemos dividir um Plano de Negócios em três partes:

1. A primeira é o conceito do negócio, uma espécie de “debate” sobre a indústria em que está inserido, sua estrutura de negócios, seu produto ou serviço, e como o empreendedor planeja fazer para que o negócio seja um sucesso.

2. A segunda é a seção sobre o mercado, na qual devem ser descritos e analisados os potenciais clientes: quem e onde eles estão, o que os faz decidir pela compra e assim por diante. Aqui também é descrita a concorrência que enfrentará e como se dará o posicionamento da empresa para “ganhar o jogo”.

3. Finalmente, a seção financeira, que contém dados sobre retiradas previstas, fluxo de caixa previsto, balanço, análise para se chegar ao ponto de equilíbrio e outros.

Entrando em maiores detalhes dentro dos pontos descritos acima, um Plano de Negócios consiste em seis elementos principais:

A) Sumário Executivo: nesta parte encontra-se o propósito da empresa; sua visão; e o resumo do que estará detalhado no “P. N.”, ou seja, um resumo de cada uma das seções mencionadas aqui abaixo.

B) Quadro Gerencial: As pessoas, em especial os principais gerentes da empresa, são de grande interesse dos potenciais investidores, parceiros e empregados.

C) Produto ou Serviço: O design do produto, o detalhamento da tecnologia e especialmente as vantagens competitivas no mercado.

D) Marketing: Aqui serão mencionadas as estratégias de posicionamento, preço, promoção do produto e/ou serviço para os potenciais clientes.

E) Operações: Talvez o negócio seja fortemente baseado em manufatura, logística ou serviço ao cliente. Os leitores de seu plano desejarão saber o que será “oferecido” na área de Operações.

F) Dados Financeiros: conforme já mencionado, todas as informações relativas às movimentações da empresa em “números”.

A partir destas dicas resumidas, o empreendedor pode dar os primeiros passos para o desenvolvimento de um plano de negócios, e, principalmente, ter uma idéia de como desenvolvê-lo. Caso deseje maiores detalhes de como montar um Plano de Negócios, a sugestão é naveguar no www.sebrae.com.br/momento/quero-abrir-um-negocio, clicando na seção “Como Elaborar um Plano de Negócios”.

1 2 3 4 9