Dinheiro:Dívidas,conheça os tipos de endividados e como evitar essa situação

O endividamento é uma realidade que aprisiona milhares de brasileiros. Independentemente do salário recebido, a compulsão pela compra, conhecida como consumismo, atinge qualquer pessoa, e engana-se quem pensa que o consumismo é o mesmo que consumo.

O consumo é um conceito de necessidade e é considerado saudável, mas é preciso manter a atenção para que não se torne uma armadilha, tornando-se um vício ou uma necessidade constante.

Segundo a escritora e consultora Márcia Tolotti, o consumismo é o culpado pelo endividamento. “O endividado é aquela pessoa que se joga para um risco. Ela não sabe como vai pagar  mas mesmo assim compra”.

Endividados
Os endividados são classificados em três categorias:

  • Ativo: é aquela pessoa que está constantemente contraindo dívidas e alega que teve imprevistos;

  • Sobreendividado: é o equivalente a um falido. Estoura o cheque especial, realiza inúmeras parcelas no cartão de crédito, além de empréstimos;

  • Passivo: este é o endividado que realmente passou por um imprevisto, seja ele doença, acidente, desemprego, morte ou separação.

Armadilhas
A satisfação plena e constante não existe, a frustração faz parte da vida de qualquer ser humano e os problemas não serão resolvidos durante as compras, segundo explica a escritora.

Pensando nisso, o ideal é ter cuidado para não cair nas armadilhas do consumo e não buscar desculpas para gastar dinheiro.

Para Márcia Tolotti, as causas afetivas são as principais culpadas que levam ao endividamento. “O consumismo atinge a pessoa quando o emocional está abalado”, alega a consultora.

Sem dívidas
Educar-se financeiramente, não fazer muitas parcelas no cartão de crédito, não utilizar o cheque especial e nem realizar financiamentos longos são algumas dicas para que a dívida não chegue perto.

Para conseguir “sair do buraco” e se livrar do endividamento, o primeiro passo é reconhecê-lo. Fazendo isso, crie um método de controle, como uma planilha. Coloque todos os gastos feitos numa tabela e regule suas finanças.

“Para surgir um investidor é preciso que o gastador saia de cena”, finaliza Márcia.

Por: Debora Amabile
InfoMoney

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *