Fraudes Bancárias como acontecem e como evitar

Tendo como alvo principal os sites de instituições financeiras, as fraudes via Internet são, atualmente, os crimes digitais com maior incidência no Brasil.Obtendo informações dos clientes por e-mail ou através de clonagem de sites bancários, esses criminosos vêm causando prejuízos a usuários e instituições. Os quais, diante da falta de legislação e capacitação de nossa polícia, sofrem diariamente com os danos e transtornos causados.As fraudes com cartões de crédito são outra modalidade que vem crescendo. Infectando internautas com o vírus trojan, os criminosos obtêm os dados pessoais das vítimas (nome completo, CPF e RG) e solicitam, às instituições de crédito, diversos cartões, efetuando compras em nome de terceiros.

As lesões causadas vão desde prejuízos financeiros até a inclusão indevida do nome em cadastros de proteção ao crédito, além de todo o aborrecimento infligido.

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, na esfera civil, a responsabilidade pelo ressarcimento dos prejuízos recai sobre os bancos e instituições de crédito. O artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor preceitua ser o fornecedor de serviços responsável. independentemente da
existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação Um serviço é considerado defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar. A partir do momento em que as empresas colocam à disposição do consumidor a possibilidade de movimentação financeira via Internet, os riscos inerentes a essa atividade devem ser minimizados pelo investimento em sistemas de segurança capazes de evitar a ação dos hackers.

Portanto, por ser tecnicamente impossível garantir a total segurança contra esses ataques, salvo conduta imprudente por parte dos usuários, o dever de reparar os prejuízos causados aos clientes é da empresa fornecedora. Apesar da garantia legal, é recomendável não responder a e-mails que solicitem dados pessoais, números de contas correntes, senhas bancárias, pedidos de recadastramento ou que ofereçam prêmios.

Para evitar ser vítima de fraudes virtuais você pode encontrar dicas na Cartilha de Segurança para Internet, desenvolvida pelo CERT.br, mantido pelo NIC.br, com inteiro teor em http://cartilha.cert.br.

Estratégias para alcançar seu primeiro milhão

1a Estratégia
Para quem
: Suporta risco
Investimento mensal (em R$): 1 000
Onde aplicar: Carteira de ações formada por papéis da Petrobras, companhia Vale do Rio Doce e bancos (como Bradesco, Itaú e Unibanco)
Rentabilidade prevista: 2,86% ao mês (já descontados impostos, taxas e inflação)
3 anos
Saldo: 61.589
5 anos

Saldo: 155.160
7 anos

Saldo: 339.466
10 anos
Saldo: 1.000.000,00

2a Estratégia
Para quem: Pode guardar muito, sem arriscar tanto
Investimento mensal (em R$): 2 500
Onde aplicar: 80% em fundo de renda fixa e 20% em fundo de ação Ibovespa ativo (aplicação que busca rentabilidade acima da variação dos papéis mais negociados na Bolsa de Valores de São Paulo). Ou 100% em fundo balanceado arrojado, composto por até 25% de ações e o restante de renda fixa
Rentabilidade prevista: 1,75% ao mês (já descontados impostos, taxas e inflação)
3 anos
Saldo: 123.832
5 anos

Saldo: 261.374
7 anos

Saldo: 469.775
10 anos
Saldo: 1.000.000,00

3a Estratégia
Para quem: Tem pouca sobra mensal
Investimento mensal (em R$): 150
Onde aplicar: Fundo de renda fixa (60%) e fundo de ações (40%). Ou 100% em fundo balanceado arrojado
Rentabilidade prevista: 1% ao mês (já descontados impostos, taxas e inflação)
3 anos
Saldo: 6.459
5 anos

Saldo: 12.245
10 anos

Saldo: 34.472
20 anos
Saldo: 148.064
35 anos

Saldo: 1.000.000,00


PARA AUMENTAR OS GANHOS

Veja agora algumas sugestões para fazer seu dinheiro render mais na bolsa:
* Fazer investimentos extra na carteira de ações após crises e fortes quedas no Índice Bovespa
* Cultuar a frieza em relação ao desempenho das ações, não pensando em vendê-las durante crises políticas e econômicas
* A cada três ou quatro meses, substituir uma das ações da carteira por outra de recomendação mais forte, ou seja, que tenha tendência de alta
* Nas compras de ações, seguir sempre as recomendações de grandes corretoras
* Estudar muito sobre investimentos e acompanhar o noticiário sobre as empresas cujas ações fazem parte do seu investimento

6 Dicas para enriquecer

6 Dicas para enriquecer

 

 

 

1ª Dica – Economize de forma automática  
Contrate planos de aplicação programada, que direcionam mensalmente uma certa quantidade de dinheiro de sua conta para um fundo de investimento. O cliente pode conversar com o gerente do banco sobre a quantia que deseja aplicar. Dessa forma, os juros vão começar a incidir sobre a renda imediatamente e você não corre o risco de gastá-la.  
2ª Dica – Lucre até na hora de pagar os impostos  
Faça uso das contas de investimento, uma modalidade que tem como finalidade exclusiva realizar aplicações financeiras, permitindo ao cliente mudar de investimento para outro sem pagar CPMF. A incidência da contribuição ocorre apenas no ingresso de recursos.  
3ª Dica: Faça suas ações trabalharem para você  
Aplicar em ações é um investimento com retorno maior, porém, com mais risco. Segundo o consultor Gustavo Cerbasi, os investidores podem aplicar a “regra do 70”, criada pelo professor Jurandir Macedo. Subtraia a sua idade do número 70, o resultado será a porcentagem de sua renda que deverá ser aplicada. Cerbasi explica que o ideal é investir em empresas sólidas, com crescimento sustentável, como as chamadas “blue ships”, como Petrobras, Banco do Brasil, Bradesco, Vale do Rio Doce, Gerdau, CSN. O consultor prevê que a média de retorno nos próximos anos para esse tipo de investimento ficará em torno de 20%
 
4ª Dica: Aumente suas fontes de renda  
Como os números mostram, o jeito mais fácil de se tornar um milionário é ter um salário “gordo”. Se você for jovem, tente incrementar seu currículo com um MBA e uma pós-graduação. Se estudar não está nos seus planos, tente saber o máximo possível sobre sua profissão. Mantenha-se atualizado com o mercado para ter mais poder de barganha na hora de negociar seu salário. E leia publicações de sua área para ampliar os horizontes.  
5ª Dica: Economize sempre  
Lembre-se: só porque você parou de economizar não significa que a inflação vai estagnar. A cada ano que passa, R$ 1 milhão vai valer menos e menos – e você vai precisar de mais dinheiro para continuar a manter seu estilo de vida. Segundo a rede CNN, um americano em 1976 precisaria hoje de US$ 3,5 milhões para ser considerado um milionário (ter o poder de compra de R$ 1 milhão na época).  
6ª Dica: Planejamento é tudo  
Se você quer saber quanto e por quanto tempo precisa poupar para chegar até o primeiro milhão você pode fazer uso de calculadoras financeiras, clique aqui e teste uma.  
7ª Dica: Aplique em títulos de Capitalização  
Títulos de capitalização são uma modalidade de investimento que permite você poupar dinheiro (com parcelas fixas todos os meses) e acumular capital de forma rápida com prêmios em dinheiro varias vezes maiores do que o valor investido. Praticamente quase todos os bancos tem algum tipo de título de capitalização. Consulte o seu e boa sorte.  
1 140 141 142